sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

As tendências pedagógicas no contexto educativo

O desenvolvimento da sociedade bem como o desenvolvimento educacional demanda políticas educacionais de forma crescente, em que haja a aliança entre a teoria e a prática. Assim, torna-se necessário que a prática pedagógica seja condição de grande relevância para que se possa ofertar aos indivíduos/educandos que se encontram matriculados nos âmbitos escolares, métodos de ensinos e/ou projetos pedagógicos que incentivem a criatividade e favoreçam a aprendizagem significativa.

Desta forma, é que ao longo dos anos que surgiu uma diversidade de tendências pedagógicas que sempre visaram a melhoria do processo educativo para que se pudesse acompanhar as inovações que permeiam a sociedade na qual encontram-se inseridas, permitindo-se que os indivíduos sempre ousem com os olhos voltados para a transformação social.

Nesta perspectiva é que se justifica o estudo e reflexão sobre essa temática “As Tendências Pedagógicas no Contexto Educativo” para que se possa conhecer as diversas tendências pedagógicas que surgiram ao longo dos tempos, bem como os seus representantes e contribuições deixadas para a educação em prol de um desenvolvimento efetivo e eficaz do processo educativo, em que os educandos sejam reconhecidos como parte integrantes deste processo.

Portanto, através dos estudos e análises sobre a temática em questão buscou-se conhecer, não de forma exaustiva, as diversas tendências pedagógicas que permearam e permeiam o processo educativo brasileiro, especificadamente, evidenciando a relevância destas tendências para o processo educacional.

2 AS TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO EDUCATIVO

O sistema educacional brasileiro, especificadamente, viveu momentos contraditórios que em muito contribuíram para a enorme expansão do sistema educacional no decorrer dos tempos, e que permitiram o surgimento de inúmeras tendências pedagógicas que até a atualidade servem de fundamentação para o desenvolvimento do processo educativo.

As tendências pedagógicas originaram-se, assim, dos movimentos sociais e filosóficos, num dado momento histórico, que acabaram por propiciar a união das práticas didático-pedagógicas, com os desejos e aspirações da sociedade de forma a favorecer o conhecimento, a aprendizagem significativa.

Assim, a educação vista como responsável pela modernização da sociedade em prol de sua inserção no mundo globalizado e na era da sociedade do conhecimento, torna-se necessário que se conheça o percurso percorrido por este sistema no que concerne ao desenvolvimento das diversas tendências pedagógicas, estas sendo decorrentes dos condicionantes sócio-políticos.

As diferentes tendências pedagógicas implicam diferentes concepções de homem e de sociedade e, consequentemente, diferentes pressupostos sobre o papel da escola e da aprendizagem. Mas, vale ressaltar que todas as tendências pedagógicas tiveram e tem por função contribuir para o avanço da educação, desenvolvendo teorias, concepções do processo de ensino-aprendizagem que norteie as práticas pedagógicas, objetivando a melhoria da qualidade do ensino que é ministrado dentro dos âmbitos escolares.

Pois como sinalizam Luckesi (1994, p. 21):

Educar não significa simplesmente transmitir/adquirir conhecimentos. Existe, no processo
educativo, um arcabouço de representações de sociedade e de homem que se quer formar. Através da educação as novas gerações adquirem os valores culturais e reproduzem ou
transformam os códigos sociais de cada sociedade. Assim, não há um processo educativo asséptico de ideologias dominantes, sendo necessária a reflexão sobre o próprio sentido e valor da educação na e para a sociedade.


Neste contexto é que as diversas tendências pedagógicas buscaram criar condições para que o processo de ensino-aprendizagem aprimorar-se em prol da aprendizagem significativa que venha a atender à demanda da sociedade em tempos diferentes.

As ações educativas em sala de aula são permeadas por diferentes posicionamentos pessoais que condicionam diferentes arranjos de situações de ensino-aprendizagem, em que o agir planejado do educador é sempre uma ação intencional, por isso toda e qualquer tendência pedagógica que este venha a adotar estará subjacente uma intenção, principalmente no que se refere ao indivíduo que se quer formar.

Desta forma é que as tendências pedagógicas trazem em seu cunho concepções didático-pedagógicas coerentes com a formação que se quer propiciar aos educandos, pois a partir das ações desenvolvidas se contribuirá para a condução de um trabalho educativo mais consciente, baseado nas demandas atuais da sociedade.

Por isso que Santos (2012, p. 1) em seu artigo pontua que:

O conhecimento dessas tendências e perspectivas de ensino por parte dos professores é fundamental para a realização de uma prática docente realmente significativa, que tenha algum sentido para o aluno, pois tais tendências objetivam nortear o trabalho do educador, ajudando-o a responder a questões sobre as quais deve se estruturar todo o processo de ensino, tais como: o que ensinar? Para quem? Como? Para quê? Por quê?

Assim de acordo com o momento cultural e político da sociedade em cada tempo, época, é que foram constituídas as inúmeras tendências pedagógicas, as quais os educadores necessitam conhecer para melhor construir, constituir sua prática educativa.

Neste sentido é que o professor Saviani (1997) propõe “[...] a reflexão sobre as tendências pedagógicas. Mostrando que as principais tendências pedagógicas usadas na educação brasileira se dividem em duas grandes linhas de pensamento pedagógico. Elas são: Tendências Liberais e Tendências Progressistas” (SAVIANI, 1997, p. 7).

Desse modo, essas linhas de pensamento pedagógico são decorrentes dos momentos, épocas
que os diversos teóricos, como Skiner, Watson, Vygotsky, Wallon, dentre outros, viveram nas diversas sociedades, buscando aprimorar e/melhorar a qualidade do sistema educacional destas sociedades, em prol da formação integral dos educandos.

Assim, as Tendências Pedagógicas Liberais marcaram a Educação Brasileira nos últimos 50 (cinquenta) anos, sendo às vezes conservadora e em outra renovada. Essa Tendência divide-se em quatro subgrupos: Pedagogia Tradicional, Pedagogia Renovada, Pedagogia Tecnicista e Pedagogia do Escolanovismo.

Com relação as Tendências Pedagógicas Progressistas estas e são tendências que partiram da análise crítica das realidades sociais que sustentam as finalidades sócio-políticas da educação. Dentre essas tendências pode-se elencar: Pedagogia Libertadora, Pedagogia Libertária e Pedagogia Histórico-Crítica.

Sabe-se que lidar com o processo de ensino-aprendizagem não é nada fácil nem mesmo simples, mas é algo complexo, árduo, devido à grande diversidade de indivíduos/educandos, daí reside à importância de se conhecer as diversas tendências pedagógicas para que o educador tenha a compreensão dos fenômenos que rodeiam o processo de desenvolvimento e aprendizagem dos educandos, permitindo, assim, ao educador construir sua prática embasada nestas tendências.

Pois, como sinaliza Luckesi (1994) “[...] a Pedagogia não pode ser bem entendida e praticada na escola sem que se tenha alguma clareza do seu significado. Isso nada mais é do que buscar o sentido da prática docente” (LUCKESI, 1994, p. 7).

Desta forma, para que o processo de ensino-aprendizagem seja significativo e obtenha resultados satisfatórios, principalmente, para os educandos, é que se torna necessário reconhecer que dentro dos âmbitos escolares perpassam as diversas tendências pedagógicas, e que estas são subsidiadas pela questão cultural com sua multiplicidade e diversidade, pois sem esse reconhecimento o planejamento e a construção idealizada da vida e do trabalho no âmbito escolar tenderão ao fracasso.

Assim, para se oferecer uma educação de qualidade e, consequentemente, garantir o sucesso do processo de ensino-aprendizagem é preciso ter uma fundamentação teórica sobre as tendências
pedagógicas tanto as tendências liberais quanto as tendências progressistas.

A partir da vertente das tendências pedagógicas liberais, segundo Fogaça (2011) estas “[...] sustentam a ideia de que o aluno deve ser preparado para papéis sociais de acordo com as suas aptidões, aprendendo a viver em harmonia com as normas desse tipo de sociedade, tendo uma cultura individual” (FOGAÇA, 2012, p. 2).

É nesta perspectiva que Libâneo (1990, p. 14) sinaliza que:


[...] a pedagogia liberal sustenta a idéia de que a escola tem por função preparar os indivíduos para o desempenho de papéis sociais, de acordo com as aptidões individuais. Isso pressupõe que o indivíduo precisa adaptar-se aos valores e normas vigentes na sociedade de classe, através do desenvolvimento da cultura individual. Devido a essa ênfase no aspecto cultural, as diferenças entre as classes sociais não são consideradas, pois, embora a escola passe a difundir a idéia de igualdade de oportunidades, não leva em conta a desigualdade de condições.



Essa tendência pedagógica ramifica-se em quatro (04) correntes pedagógicas, as quais podem ser sintetizadas assim:

 Pedagogia Tradicional – o professor é visto como a autoridade máxima, um organizador dos conteúdos e estratégias de ensino e, portanto, o único responsável e condutor do processo educativo. Tendo por representante principal os jesuítas.
 Pedagogia Renovada - O centro da atividade escolar não é o professor nem os conteúdos disciplinares, mas sim o aluno, como ser ativo e curioso. O mais importante não é o ensino, mas o processo de aprendizagem. “Trata-se de “aprender a aprender”, ou seja, é mais importante o processo de aquisição do saber do que o saber propriamente dito” (LUCKESI, 1994, p. 58). Sendo seus representantes: Carl Rogers, John Dewey, Maria Montessori, Ovide Decroly, dentre outros.
 Pedagogia Tecnicista - Segundo Luckesi (1994) a prática pedagógica é altamente controlada e dirigida pelo professor, com atividades mecânicas inseridas em uma proposta educacional rígida e passível de ser totalmente programada em detalhes. Seus representantes são Skinedr, Watson, Gagné, Bloon, etc..
 Pedagogia do Escolanovismo - É um método centrado no aluno, onde o âmbito escolar tem o papel de formador de atitudes, preocupando-se mais com a parte psicológica do que com a social ou pedagógica. Sendo um dos seus representantes Anísio Teixeira.
Reportando-se para as Tendências Pedagógicas Progressistas estas, também, se ramifica em três (03) correntes pedagógicas:

 Pedagogia Libertadora - visa levar educadores e educandos a atingir um nível de consciência da realidade em que vivem na busca da transformação social, valorizando-se a experiência vivida como base da relação educativa. Um dos seus representantes é Paulo Freire.
 Pedagogia Libertária - Transformação da personalidade num sentido libertário e autogestionário; é uma pedagogia não diretiva, em que o educador é orientador e os educandos livres. Tem por representantes: Lobrot, C. Freinet, Miguel Gonzales, Vasquez, dentre outros.
 Pedagogia Histórico-Crítica – nesta pedagogia o papel do educando é como participador e do educador como mediador entre o saber e o educando. O âmbito escolar não é uma mera reprodutora da estrutura social vigente, mantêm relações de reciprocidade com a mesma , de transformação. Tem por representantes: Makarenko, B. Charlot, Suchodolski, Manacorda, G. Snyders, Demerval Saviani, etc..

Enfim, todas as tendências possuem uma importância para o processo educacional, contribuindo em seu tempo com o desenvolvimento da educação. Mas, vale ressaltar que nenhum tipo de tendência é superior a outra, mas todas se completam e possuem seu valor educativo, bastando assim que o educador tenha esse conhecimento para embasar sua prática pedagógica.

Portanto, a partir do embasamento destas tendências pedagógicas é que a educação escolar é idealizada, considerando-a muito influente e capaz de contribuir para a transformação das práticas sociais e culturais necessárias, assumindo-se uma nova posição mais realista e significativa para o desenvolvimento não só da sociedade, mas, consequentemente, da educação.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante do exposto deve-se compreender que o estudo e análise da temática “As tendências Pedagógicas no contexto educativo” é de grande relevância, pois obtém-se um conhecimento mais conciso sobre as diversas tendências pedagógicas, sabendo-se o caminho a trilhar para efetuar uma prática pedagógica com qualidade e de modo satisfatório.

Desta forma, torna-se necessário que se efetivem mais ações didático-pedagógicas que pro-
-movam o estudo e análise das diversas tendências pedagógicas, para que se possa atender as exigências da sociedade em que se encontra inserido os âmbitos escolares, na promoção de uma educação escolar com qualidade e significância, em que o educando construa seu próprio conhecimento.

Nesta perspectiva, é que o estudo desta temática foi de grande relevância para o meu crescimento pessoal e educativo, pois através deste obtive novos saberes a cerca das tendências pedagógicas que permearam o universo educacional.

Portanto, o conhecimento das tendências pedagógicas no contexto escolar é de suma relevância dentro dos espaços educativos, pois é através destas que se obtém novas informações sobre uma diversidade de práticas pedagógicas desenvolvidas em sala de aula. Além disso, este conhecimento obtido proporcionam o avanço do saber já construído, favorecendo a melhoria da qualidade de ensino e aprendizagem nas diversas áreas do conhecimento.


REFERÊNCIAS


FOGAÇA, Jennifer. Tendências Pedagógicas Brasileiras. Disponível em: http://educador.brasilescola.com/trabalho-docente/tendencias-pedagogicas-brasileiras.htm Acesso em 21/11/12.

LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública. São Paulo: Loyola, 1990.

LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez , 1994.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. São Paulo: Cortez, 1997.

SANTOS, Roberto Ferreira dos. Tendências pedagógicas: o que são e para que servem. In: 7º Seminário de Práticas Educativas: componente curricular do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2012.